Jovens que Brilham com a Luz Divina

IMG_20171019_134015936

O livro de hoje não possui sinopse, talvez por ser um livro baseado em preceitos de uma prática religiosa, ou talvez pela frase “Ensinamentos para os jovens da Sukyo Mahikari” ser o suficiente para descrever o livro.

Este foi o livro escolhido para o item 20. Um livro fora da sua zona de confortoJovens que Brilham com a Luz Divina, de Kotama Okada.

Não sou uma pessoa das mais religiosas, mas algum tempo atrás me interessei pela Sukyo Mahikari, uma religião que se baseia na passagem da Luz Divina para as pessoas.

É uma teoria muito interessante e meio que qualquer pessoa de qualquer crença pode fazer parte do Sukyo Mahikari – tendo-se em vista adequar alguns dos preceitos ali descritos para a crença que já carrega.

E, como podem ver pela foto, foi um livro que me fez pensar e refletir em muitos momentos – talvez até demais -, mas tiveram alguns momentos muito incômodos na leitura dele.

É um livro que foi escrito na década de 60-70, então muitas coisas ali descritas mostram um pouco da realidade da época. Sukuishi-sama – o líder religioso – tem muitos pensamentos que hoje em dia me causaram um pouco de angústia, como por exemplo, falar que os homens não podem ter atitudes femininas e as mulheres não podem ter atitudes masculinas. Houve ali uma condenação aos LGBTQ, às mulheres que não desejam ter filhos…

Como eu disse, houveram alguns problemas, mas nada que realmente afetasse a percepção do que era importante.

Há pontos interessantes e que chamaram a minha atenção pelo fato de serem tão atuais – mesmo o livro já tendo aí seus 40-50 anos.

De todo modo, foi um livro que dei 3 estrelas. Valeu a reflexão.

Advertisements

A Senhora da Magia

As Brumas de Avalon - 01

Sinopse: Em “As Brumas de Avalon”, Marion Zimmer Bradley reconta a lenda do rei Artur, descrevendo os seus esforços para unificar a Bretanha contra a invasão Saxônica, a partir da perspectiva das poderosas mulheres do reino de Avalon e Camelot.

Li esse livro em janeiro desse ano e não sei o que diabos aconteceu, mas não fiz resenha dele… Como não tenho condições de reler o livro para fazer uma resenha mais perfeita, vou escrever sobre o que eu me lembro.

Esse foi o livro escolhido para o item 22. Um livro com uma ótima linha/parágrafo inicial. O parágrafo inicial é o seguinte:

Em vida, chamaram-me de muitas coisas: irmã, amante, sacerdotisa, maga, rainha.

O livro conta a história da Saga do Rei Arthur, é mais uma narrativa sobre Arthur, Camelot e os Cavaleiros da Távola Redonda. O grande diferencial desse livro é que ele é contado por Morgana.

Morgana é meia irmã de Arthur, ambos filhos bastardos do Grande Rei Uther Pendragon. Morgana vai para a ilha encantada de Merlin para ser treinada nas artes do druidismo quando ainda é uma jovem linda. Lá ela começa seus treinamentos e se desliga do “mundo real”, vivendo de acordo com os preceitos do druidismo.

Acontece que existe um ritual que ela participará, o ritual do deus chifrudo, em que ela, como sacerdotisa e representando a deusa esposa do deus chifrudo, deverá se deitar com o rapaz vencedor da grande caçada ao veado branco.

Eles se unem sob a luz da lua e não se conhecem, ambos sentindo um poder imenso vindo dos deuses. No dia seguinte, porém, Morgana descobre que o rapaz com quem se deitou é na verdade Arthur, seu meio irmão. Quando eles percebem esse fato, se desesperam.

Creio que foi a partir deste momento que as lendas do amor entre Morgana e Arthur se iniciam.

De qualquer maneira, achei bastante interessante a forma como a história é recontada, pelo poder que Morgana possui e de como esse poder acaba mudando a realidade em que ela se encontra. A magia está presente aqui, de uma forma muito mais intensa do que em O Rei do Inverno, no qual a magia é tratada quase como superstição.

Foi uma leitura interessante e me lembro de ter gostado do que li. Entretanto, como eu já disse, faz muito tempo que li e não tenho certeza sobre os detalhes do livro em si. Sei que nesse primeiro volume um personagem masculino, que imagino ser Lancelot, já foi apresentado.

3/5 estrelas.

TBR Outubro

IMG_20171010_193159669

Eu sei, gente, eu sei que deveria ter um post no sábado dia 07, mas eu e Emma não estamos conseguindo nos entender. Calma que eu explicarei melhor quando acabar a leitura do livro, ok? 😉 E mesmo assim, não teria como postar a TBR no sábado, porque os correios não colaboram, não é mesmo?

Também sei que tem livro repetido da última TBR, mas fazer o que se não consegui ler os livros pra TBR em Cacos? Vamos seguindo com o plano e colocando os livros pra ler, não é mesmo?

Talvez a próxima TBR seja ainda menor, porque as provas de residência estão se aproximando com muita velocidade e eu ainda tenho que estudar mais pra conseguir seguir o sonho. Então… Tenham paciência, meus amores!

Sem mais delongas, à TBR!

Esse mês pretendo ler os dois últimos livros que recebi pelo Turista Literário, que são A Filha das Trevas – que já foi divulgado a continuação para um futuro bem próximo pela Plataforma 21 – e A Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil – QUE EU COMPREI NA BATALHA DOS YOUTUBERS! MEREÇO?

Como pretendo ler os sete livros de Harry Potter esse ano, continuamos com O Cálice de Fogo. Nos próximos meses teremos ainda mais Harry Potter e Percy Jackson. E aí ano que vem eu releio outra coisa… -q

Minha primeira – e talvez única por enquanto – caixinha do Clube Skoob veio com o tema Embarque e recheada de lindezas! Mais sobre isso na quarta, quando farei review sobre ela -q E com dois livros. Sim, DOIS livros. Assassinato no Expresso Oriente, que será a minha leitura do mês pelo simples motivo de que está saindo filme -q, e Morte no Nilo. Este último vai pra TBR Jar!

*Momento pausa: Decidi fazer uma TBR Jar, um pote com o nome dos livros que ainda não li e que tenho aqui em casa, porque descobri uma pequena pilha de 120 livros – entre comprados por mim, pelos meus pais e pelo meu irmão – que ainda não li… E para ter alguma surpresa no mês, a partir do mês que vem sempre terei um livro do pote nas minhas TBRs…*

Mesmo tendo meio que aberto mão do Desafio de Leitura 2017 – não estou lendo livros pra ele já há algum tempo, pelo menos não na mesma velocidade/frequência que antes – continuarei com um livro por mês. Ou seja, ainda teremos 3 livros do DDL. O de outubro é o livro Jovens que Brilham com a Luz Divina, livro que fala sobre a Mahikari – que é como se fosse uma religião, e eu não sou uma das pessoas mais religiosas assim, mesmo tendo a minha crença.

E, para encerrar, A Divina Comédia, mais um livro do Mini Desafio de Leitura, junto com Emma, mas esta é uma outra história e um outro momento, pretendo terminar Emma antes do fim do ano, então tenho até 31/12…

Na verdade, ainda tem um outro livro, o segundo livro que recebi no intercâmbio literário, mas não tirei foto e esqueci o título exato dele. Avisarei na resenha qual é, certo?

E essas serão, com fé nos deuses tudo, minhas leituras de outubro. Gentes… eu preciso conseguir terminar de ler esses livros… Não aguento mais tanto flop

 

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

untitled

Sinopse: Durante 12 anos o forte de Azkaban guardou o prisioneiro Sirius Black, acusado de matar 13 pessoas e ser o principal ajudante de Voldemort, o Senhor das Trevas. Agora ele conseguiu escapar, deixando apenas uma pista: seu destino é a escola de Hogwarts, em busca de Harry Potter. Neste livro o leitor estará mais uma vez mergulhando no mundo mágico de Hogwarts e participando de aventuras repletas de imaginação, humor e emoção, que repetem o encantamento proporcionado pelos livros anteriores dessa maravilhosa série de J. K. Rowling.

Para o item 06. Um livro que ganhou um prêmio escolhi Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Esse livro foi o vencedor do Bram Stoker Award for Young Readers 1999. E sim, esse livro tem 18 anos. Mais alguém se sentindo velho por aqui?

De todos os livro da saga de Harry Potter, esse é o meu favorito. Somos apresentados ao Lupin, definitivamente meu maroto favorito, e ao Sirius. Gente… Sirius é o melhor personagem da série e tem um dos fins mais idiotas. A proporção de amor que o terceiro livro tem é igual à proporção de ódio que o quinto livro tem. Mas falarei mais sobre isso no momento adequado.

Muitas coisas interessantes sobre o mundo de Harry Potter nos é apresentado nesse livro. O vira-tempo, os dementadores, como animagos funcionam, o preconceito que os lobisomens sofrem… Eu sempre me impressiono com a forma magnífica com que a Rowling consegue apresentar tantos fatos de um modo tão delicado que nem parece que estamos recebendo mais informações sobre o grande universo que ela criou.

Uma coisa que acho grandiosa é a forma como Rowling nos mostra que mesmo uma pessoa que foi escolhida para a Grifinória, que deveria ser corajosa, pode ser exatamente o oposto. Todas as casas de Hogwarts têm um personagem que se destaca por ser diferente do esperado.

Enfim…

Não vou me delongar aqui, falando tudo o que eu amo sobre o livro ou sobre a série, basta dizer que reler Harry Potter foi uma boa decisão para esse ano. Tão boa quanto reler Percy Jackson. ❤

5/5 estrelas.

O Filho de Netuno

17. O Filho de Netuno

Sinopse: A vida de Percy Jackson é assim mesmo: uma grande bagunça de deuses e monstros que, na maioria das vezes, acaba em problemas. Filho de Poseidon, o deus do mar, um belo dia ele acorda de um longo sono e não sabe muito mais do que o seu próprio nome. Mesmo quando a loba Lupa lhe conta que ele é um semideus e o treina para lutar usando a caneta/espada que carrega no bolso, sua mente continua nebulosa. De alguma forma, Percy consegue chegar a um acampamento de semideuses, mas o lugar não o ajuda a recobrar qualquer lembrança. A única coisa que consegue recordar é outro nome: Annabeth.
Com seus novos amigos, Hazel e Frank, Percy descobre que o deus da morte, Tânatos, está aprisionado e que Gaia pretende reunir um exército de gigantes para dominar o mundo e reescrever as regras da vida e da morte. Juntos, os três embarcam em uma missão aparentemente impossível rumo ao Alasca, uma terra além do controle dos deuses, para cumprir seus papéis na misteriosa Profecia dos Sete. Se falharem, as consequências, é claro, serão desastrosas.

Escolhi para o item 17. Um livro com um personagem que gostaria de ser o livro O Filho de Netuno do tio Rick Riordan, obviamente.

Na verdade eu tenho uma coisa muito importante para assumir aqui. Não existe realmente um personagem que eu gostaria de ser – talvez, se realmente for necessário escolher, a Reyna -, a questão é que eu amo tanto o universo de Percy Jackson que não consigo escolher um dos personagens. -q

Preferiria criar um personagem completamente próprio e novo e colocá-lo na história. O que realmente importa é: se eu fosse viver no universo de Percy Jackson (gregos, romanos, egípcios e nórdicos), gostaria de ser romana e ser do Acampamento Júpiter.

O ponto é que, mesmo sendo total e completamente apaixonada pelo Percy e todos os seus amiguinhos gregos, eu AMO o Acampamento Júpiter. A forma como os romanos “aperfeiçoaram” os deuses gregos, que não dividem os campistas por quem é seu pai/mãe divino e sim por coortes, gente, é simplesmente genial!

O fato de existirem as coortes e que elas são constituídas por diferentes semideuses faz com que cada semideus aprenda a lidar com o diferente, a confiar em outras pessoas, em aprender táticas para conseguir vencer guerras.

Fora que tem todo uma disciplina, uma organização que, de certa forma, falta ao Acampamento Meio-Sangue. E é exatamente essa disciplina, essa organização que me faz ter uma predileção pelos romanos. ❤

A Reyna, personagem que escolhi para esse item, é simplesmente fantástica. Ela é uma líder nata, além de ser inteligente e certa de suas escolhas. Ela é uma personagem absolutamente forte e fantástica.

Em relação ao livro em si, preciso dizer que senti sim a falta do Percy, ele é meu personagem favorito, não consigo deixar de amar o cabeça de alga. Acho que foi muito acertado por parte do tio Rick começar essa nova saga através do Jason e não do Percy, porque assim ele pôde introduzir o novo acampamento de uma forma mais natural e deixou sim todos nós nos sentindo como Annabeth, procurando saber o que diabos aconteceu com o Percy.

Hazel e Frank são dois personagens maravilhosos, tanto como um casal quanto separadamente. Acho que eles se completam de uma forma muito bonita, sem ter disputas para ver quem é melhor ou quem merece mais atenção. Além do que, eles são uns fofos! ❤

Em resumo, um livro 5/5 estrelas. Daria mais se pudesse.

E é isso! Até a próxima, pessoal!

TBR – Setembro

E como pudemos acompanhar a minha loucura em agosto, resolvi ser mais realista e colocar apenas 6 livros para a TBR de setembro, afinal, preciso me dedicar ainda mais aos estudos e, assim, poderei me concentrar em ambos – sem que eu deixe de fazer algo que eu amo e que não prejudique o andamento dos estudos.

Ou ao menos é o que espero conseguir.

Enfim! Vamos aos livros!

IMG_20170906_093046258_HDR.jpg

A foto hoje teve que ser dupla porque eu sou idiota e larguei O Filho de Netuno no escritório e o restante dos livros estão na minha casa, obviamente…

IMG_20170906_102338793.jpg

  1. Ecos – Pam Muñoz Ryan
  2. O Filho de Netuno – Rick Riordan
  3. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban – J. K. Rowling
  4. Emma – Jane Austen
  5. Morte Edição Definitiva – Neil Gaiman
  6. O Lado Bom da Vida – Matthew Quick

Ecos foi o livro do mês de julho do Turista Literário e eu até queria lê-lo no mês passado, mas foi bem conturbado. Então, fica pra esse mês. Provavelmente vou acabar sempre lendo o livro no mês seguinte…

O Filho de Netuno faz parte do Desafio de Leitura 2017, na categoria de um personagem que eu gostaria de ser. Deixarei para falar mais disso no post da resenha do livro, mas nem preciso dizer que obviamente minha personagem é romana, né?

Harry Potter está na lista por vários motivos, dentre eles, quero terminar de reler os sete livros esse ano, e, o terceiro livro está na lista do DDL2017, na categoria de um livro premiado. Também deixarei para falar mais sobre isso na resenha do livro. Sirius ❤ Lupin

Emma está aqui porque ele está na lista do Mini Desafio de Leitura, como eu meio que já abandonei a premissa que vou terminar o DDL esse ano, pretendo pelo menos ler os 12 do Mini Desafio… Torçam por mim!

Morte, assim como Emma, faz parte do Mini Desafio. Como eu ainda preciso descobrir qual livro de biografia/documentário vou ler até o fim do ano e ainda tem A Divina Comédia – Céu para ler, vou adiantar esse mês e ler DOIS itens do desafio!

E, last but not least, temos o O Lado Bom da Vida, recebido através do intercâmbio literário. O interessante é que mês que vem teremos o outro livro que recebi no intercâmbio de agosto… Foi uma senhora surpresa que me deixou super feliz! Dois livros em um único mês! ❤

E esses são os livros que pretendo ler esse mês! Vamos à leitura!

A Prisão do Rei

19. A Prisão do Rei.JPG

Bom, talvez tenham percebido pelo Goodreads ali do lado ou mesmo pela quantidade de postagens de livros que voltei à leitura. Mesmo com faculdade, jogos e seriados, voltei a ler.

Não sei se isso acontece só comigo, mas quanto mais ansiosa estou, mais leio. É algo mais do que natural para mim. É a minha válvula de escape. O que significa que cheguei ao nível de ler 4 livros simultaneamente essa semana. Basicamente estou engatando uma leitura na outra porque minha formatura se aproxima e eu estou devidamente apavorada em relação ao futuro.

E tudo isso só para introduzir o motivo de ler esse livro. Sem or… Eu falo demais. Outro sinal claro da minha ansiedade.

Comecei a ler esse livro com o intuito de trocar um livro que estou travada em uma das categorias do DDL. Como sou daquelas doidas que define tudo antes de começar o desafio, me ferrei, de certa forma, com o livro da categoria de 500 páginas.

Estava desanimada para começar, porque Espada de Vidro deixou muito a desejar e eu estava muito cansada da Mare. Só que na pilha de me soterrar de livros, acabei pegando A Prisão do Rei e fiquei dividida se devia ou não fazer uma das minhas três trocas por direito.

E EIS QUE DESCUBRO NÃO UMA, MAS DUAS PERSONAGENS LGBT NO LIVRO!

Foi mais forte do que eu. E é por isso que este livro se enquadra na categoria 19. Um livro com personagens LGBT.

E são essas pequenas revelações que me fazem ter uma relação de amor e ódio por essa saga…

Encontramos uma outra situação que me deixou, em um primeiro momento, ansiosa. Como o primeiro capítulo tinha o nome de Mare, ficou claro que haveria vários narradores e meu maior medo foi que em algum momento Maven fosse narrar e que a autora iria nos fazer engolir uma saga de redenção para um dos maiores filhos da puta que já tive o desprazer de encontrar.

Só que isso não acontece! Palmas para a senhorita Victoria Aveyard por não se enveredar por esse caminho sem volta.

A narrativa é dividida entre Mare, presa nas garras de Maven e sua corte prateada, Cameron, “presa” nas garras da Guarda Escarlate, e Evangeline, completamente soterrada por todas as maquinações prateadas de sua família.

E nada mais do que isso.

Claro que, enquanto Mare e Maven interagiam, houve uma luz sobre a personalidade do monstrinho rapaz, só que não retira as decisões, a responsabilidade dos atos dele. Então não é bem uma tentativa de redenção, mas sim uma des-demonização(?) do personagem. Não que realmente faça algum efeito, tendo em vista que ele ainda termina o livro como o pior dos piores.

Ah, sim… Os personagens LGBT. Bom, em consideração aos queridos e queridas que ainda não leram o livro e que talvez tenham vontade de ler, vou deixar em branco. Aí lê quem ficar com vontade.

Maven era apaixonado pelo rapaz que morreu e que ele usa a imagem para entrar na Guarda Escarlate como espião. E A EVANGELINE TEM UMA NAMORADA! Me chocou muito mais do que descobrir a possível bissexualidade de Maven. De todos os personagens, Evangeline tem sido a que mais me surpreendeu durante todo o livro, se pá de toda a série.

Ok… Não tanto quanto o Maven me surpreendeu no primeiro livro. MAS QUASE.

De qualquer forma, foi um livro divertido e rápido de ler. Finalmente teve uma batalha real e com tanta repercussão. E eu me senti tão representada pela Cameron no começo desse livro… Foi lindo!

Recebe 4/5 estrelas com muita facilidade. Se não apostasse tanto no romance entre a Mare e o Cal, talvez chegasse a 5 estrelas.