Firespell

23. Firespell.jpg

Sinopse: As the new girl at the elite St. Sophia’s boarding school, Lily Parker thinks her classmates are the most monstrous things she’ll have to face. When Lily’s guardians decided to send her away to a fancy boarding school in Chicago, she was shocked. So was St. Sophia’s. Lily’s ultra-rich brat pack classmates think Lily should be the punchline to every joke, and on top of that, she’s hearing strange noises and seeing bizarre things in the shadows of the creepy building. The only thing keeping her sane is her roommate, Scout, but even Scout’s a little weird – she keeps disappearing late at night and won’t tell Lily where she’s been. But when a prank leaves Lily trapped in the catacombs beneath the school, Lily finds Scout running from a real monster. Scout’s a member of a splinter group of rebel teens with unique magical talents, who’ve sworn to protect the city against demons, vampires, and Reapers, magic users who’ve been corrupted by their power. And when Lily finds herself in the line of a firespell, Scout tells her the truth about her secret life, even though Lily has no powers of her own – at least, none that she’s discovered yet… 

Livro escolhido para o item 23. Um livro que deveria ter lido no ano passado, mas não conseguiu. E, além disso, foi o livro escolhido para a cidade de Elben – ler um livro que deveria ter sido lido em 2017 – e para o favor da Rainha de Arcania – ler um livro com uma personagem girl power -, ambos desafios do reino de Arcania, da Jornada MLV, que é como a MLV 2018 está sendo chamada. (Basicamente era possível escolher entre dois reinos – Arcania e Galtero – e cada reino tem seus respectivos desafios a serem cumpridos. Eu sou #TeamGaltero, mas como sou a doida das maratonas, vou tentar cumprir todos os doze desafios – seis de cada reino.)

A minha história com esse livro é um tanto interessante. Ano passado, passei alguns dias em São Paulo na casa da minha amiga Nath. Ela vinha a algum tempo me pedindo ajuda para organizar os livros dela para troca no Skoob. Eu, como a ótima amiga que sou, a ajudei a reorganizar os livros nas estantes e já marcá-los tanto no GoodReads quanto no Skoob, incluindo os livros para troca.

Firespell foi o livro da dúvida. A Nath tinha dúvidas se colocava o livro para troca ou não, nunca tendo lido o livro e não sabendo exatamente sua sinopse. Novamente, como a ótima amiga que eu sou, resolvi que leria o livro e daria o meu parecer. Só que acabou que eu ainda estava tentando cumprir com os livros da Fantastona e da Desesperatona, fora que ainda estava tentando cumprir com a maior quantidade possível do DDL 2017.

Ou seja… Firespell ficou para 2018.

E foi uma ótima escolha para esse janeiro, viu…

Um dos maiores problemas que estávamos tendo com esse livro é porque é mais uma série. Gentes… Deu de série. Chega.

De qualquer maneira, lá fui eu entrar de cabeça nessa história, e eis que encontro uma história tão gostosinha de ler que fiquei impressionada! Só demorei mais na leitura porque não estou de férias…

Lily é uma garota normal que tem sua vida virada de pernas para o ar quando os pais recebem uma bolsa para ir para a Alemanha estudar um filósofo. Como ela não poderia continuar morando sozinha por dois anos, os pais a transferem para uma escola particular em Chicago. Chegando lá, ela conhece Scout, uma garota um tanto quanto descolada e fora dos padrões da escola. E elas se tornam melhores amigas com muita facilidade.

Só que Scout esconde um segredo. A nova escola esconde um segredo. Até mesmo os pais de Lily escondem segredos.

O início do livro não tem absolutamente nada de sobrenatural. É bem Gossip Girl, na verdade. E isso não é de forma alguma um ponto negativo! Ver como é o dia a dia da Lily em uma escola particular exclusiva para garotas é muito divertido.

Quando os mistérios sobrenaturais são introduzidos o livro se torna ainda melhor!

A forma como Lily reage a essa nova realidade que se abre à sua frente é muito interessante e realista. Então eu gostei de verdade dessa história. O suficiente para relevar alguns pequenos detalhes da história em si que já me cansei um pouco – o insta love não é muito descarado, mas me irritou um pouquinho; para ficar curiosa em continuar a leitura da saga.

4/5 estrelas e muita curiosa pra saber como continua.

Advertisements

O Canto Mais Escuro da Floresta

16. O Canto Mais Escuro da Floresta

Sinopse: Uma história repleta de magia e mistérios, da autora de As Crônicas de Spiderwick
Hazel e seu irmão, Ben, moram em uma cidade onde humanos e fadas convivem. A magia aparentemente inofensiva desses seres atrai turistas de todas as partes, que querem ver de perto as maravilhas do lugar e, principalmente, o garoto de chifres e orelhas pontudas que descansa em um caixão de vidro. Hazel e Ben eram fascinados pelo garoto quando crianças. Mas, à medida que crescem, as histórias e teorias que inventavam perdem o encanto. Eles sabem que o garoto de chifres nunca acordará… Até que um dia ele acorda. Agora, os irmãos precisam se tornar os heróis que fingiam ser em suas brincadeiras e desvendar os mistérios que envolvem aquele príncipe com chifres.

Livro escolhido para o item 16. Um livro com título que descreve a sua vida. E o mais engraçado é que esse livro realmente descreveu a minha vida. Ou, ao menos, deu um novo significado para o momento em que estou.

Este livro foi o enviado em março de 2017 pelo Turista Literário e, por diversas razões, eu queria muito essa malinha. Eis que ask and you shall receive e o Turista liberou uma nova leva da caixinha de março e eu pude ser uma feliz e alegre possuidora deste livro – e dos mimos!

Como eu sou uma ótima amiga e uma drama queen e a Nath queria muito ler esse livro e encaixá-lo no Desafio de Leitura, resolvi que o colocaria como o livro com título que define a minha vida.

Vejam bem, não é que a minha vida seja extremamente complicada, triste ou as coisas dêem errado com frequência. É só porque é divertido pegar esses títulos “impactantes” para definir a minha vida.

E é basicamente o livro perfeito para descrever a minha vida! (E, na verdade, a vida de todos)

A história se passa em Fairfold, um local em que a magia é muito presente na vida dos habitantes dessa cidade. Na floresta que circunda Fairfold há um reino de fadas – e outros seres -, e nessa floresta existe um caixão de vidro com um príncipe dentro. Os irmãos Hazel e Ben são apaixonados pela ideia do príncipe, pela cidade onde moram, pelos seres fantásticos que vivem ali junto com eles. E eles precisam se defender.

Uma história que inicialmente se parece com uma releitura de João e Maria torna-se muito mais. Mais interessante, mais maravilhosa, com uma história única. Há vários mistérios a serem desvendados, muitos personagens com um crescimento absurdamente fantástico e com a quantidade perfeita de romance.

Enquanto realmente esperava por uma história densa de mistérios e talvez até com uma grande pitada de terror, que – veja bem – realmente existe no livro, fui recompensada com uma mensagem bastante positiva.

Nem tudo são sombras, nem mesmo o canto mais escuro da floresta é apenas isso. Existe luz, existe um futuro claro e brilhante à frente.

Quanto a edição…

Bem, a Editora Galera Record tem ganhado espaço muito rapidamente na minha estante e, na verdade, o problema não é apenas dessa editora. É que é primeira edição. Existem alguns erros claros de tradução e até alguns de edição, mas nada que nas próximas edições não melhorem e, é claro, não atrapalha em nada a leitura do livro.

5/5 estrelas. E pelo amor de tudo o que é mais sagrado, me diz que é um livro único!

Admirável Mundo Novo

25. Admirável Mundo Novo

Sinopse: Ano 634 d.F. (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade: os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime.
Os conceitos de “pai” e “mãe” são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia: acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo. Extraordinariamente profético, “Admirável mundo novo” é um dos livros mais influentes do século 20.

Livro escolhido para o item 25. Um livro escrito entre 1914 e 1945Admirável Mundo Novo foi escrito em 1932. E, meu deus, como é um livro atual.

Esta foi, na realidade, uma releitura, já que Admirável Mundo Novo foi o meu primeiro contato com Aldous Huxley – e um contato que me deixou louca para procurar outras obras dele.

Aqui nos deparamos com um futuro em que a ciência é a grande força motriz que guia o mundo. Uma ciência que desestimula a individualidade em favor da felicidade e do sucesso do todo. A realidade se torna muito diferente do que estamos vendo hoje – ou talvez não tão diferente assim.

Estamos vivendo em uma época cheia de extremismos: religiosos, políticos, sexuais… É um momento em que perdemos um pouco do que é a essência do ser humano ou não… e nos deixamos ser levados pela onda do medo, esperando que o totalitarismo possa ser a nossa salvação.

Acontece que o totalitarismo não salva ninguém. É extremamente saudável conviver com pessoas que possuem ideias, crenças, opiniões diferentes, afinal, só assim podemos expandir o nosso conhecimento, abranger nossos horizontes. Basta que exista a compreensão deste fato.

No livro existem locais em que o ser humano ainda é “livre”, mas são áreas de conservação da vida selvagem. Um local cercado e fortemente vigiado que não permite a saída de humanos não condicionados à realidade para a “vida em sociedade”.

E, basicamente, é em uma dessas reservas que o plot da história se desenvolve. Um rapaz é filho de uma dessas mulheres condicionadas – uma beta – e acaba por não pertencer a lugar algum: sofre preconceito dos habitantes da reserva; e é tratado como um animal selvagem pelos habitantes do Outro Lado – o mundo real.

Há uma crítica muito forte ao avanço tecnológico puro, além de chamar a atenção para o respeito para as diferenças culturais entre as pessoas.

Como eu disse, um livro muito atual e que me deixa estupefata toda vez que o leio.

5/5 estrelas e favoritado!

Quarto

04. Quarto - Emma Donoghue

Sinopse: Para Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la.
O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar.

Livro escolhido para o item 04. Um livro vencedor de um prêmioQuarto foi o vencedor de vários prêmios, dentre eles, o ALA Alex Award 2011.

Devo dizer que a leitura desse livro foi difícil.

Primeiro porque a narrativa é feita pelo Jack, então vemos tudo o que acontece pelos olhos de uma criança de 5 anos que teve uma criação completamente diferente do normal. E, segundo, porque essa criação diferente transforma a visão e as ações de Jack.

Tem muita coisa absurda que acontece durante a narrativa e que me deixou muito incomodada enquanto lia. Saber que o Jack tem 5 anos, mas ainda era amamentado no peito, tantas coisas que ele faz que são muito nojentas, como ficar chupando o dente podre da sua mãe.

E, é claro, tem a própria temática do livro.

O livro trata sobre cárcere privado, estupro, sequestro, tentativa de suicídio… Só tema bem tranquilo, sabe? Tudo bem que é pela visão de uma criança, mas não exista visão inocente que faça a realidade do que a mãe viveu se tornar menos complicada para dizer no mínimo.

Não sei dizer exatamente o que senti com o livro, porque estou até agora – após algumas horas que terminei – com uma náusea intensa toda vez que eu me lembro dos detalhes do livro.

É um bom livro, mas não é pra todo mundo. E não sei dizer se a relevância dele é tanta assim como foi divulgado. Me senti um pouco torturada enquanto o lia. q

3/5 estrelas.

Quinze Dias

11. Quinze Dias

Sinopse: Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. 

Livro escolhido para o item 11. Um livro com personagem LGBT.

Devo dizer que estava muito ansiosa – e com medo – para ler esse livro! Ano passado comecei a seguir vários booktubers, principalmente as MorangasMayra Sigwalt, Paulo Ratz, Thereza Andrada, Victor Almeida e Vitor Martins. Como podem ver o Vitor Martins é o mesmo autor de Quinze Dias. E aí, todo mundo – Morangas, Kabook e tantos bookstagrammers – falando muito bem desse livro, fiquei com medo de não gostar.

Medo totalmente tolo e desnecessário, porque esse livro é um HINO! ❤

A verdade é que eu nunca sofri nenhum tipo de bullying por ser gorda – ao menos que eu me lembre -, mas sofri por outros motivos. O que realmente não é a questão no momento. A grande questão é que eu me reconheci no Felipe, basicamente, porque ele é meio idiota.

Ei, eu sou capaz de assumir as minhas idiotices, está bem? 😀

As piadas idiotas, os pensamentos estranhos, o pessimismo. Sem or! Sou eu purinha! Hahahahaha.

Foi um livro muito divertido, sem ser forçado. Ele trata sobre gordofobia, homofobia, bullying, romance, crushes, os usos absurdos do google. Gente… É um livro super amorzinho, super divertido – acreditem: eu gargalhei – e, mesmo assim, tem uma sensibilidade fantástica! Tiveram alguns momentos sim que eu chorei.

5/5 estrelas, favoritadíssimo e agora estou ansiosa para poder ler o próximo trabalho do Vitor: Piratas gays. ❤

Mulher com Brânquias

06. Mulher com Brânquias

Sinopse: Rita, professora universitária, começa a ter visões de uma realidade paralela, como se estivesse o tempo todo mergulhada num aquário. Em casa, no trabalho ou na rua, ela se vê rodeada por seres aquáticos e especialmente pelo “grande peixe”, uma criatura fantasmagórica que a persegue, mas que ninguém mais enxerga. Como se não bastasse, sua pele é tomada por escamas aos poucos, de forma dolorida e fantástica. Brânquias surgem em seu corpo, e isso pode significar o início ou o fim de uma jornada.

Livro escolhido para o item 06. Um livro de autoria feminina.

A forma como o livro trata a realidade é simplesmente fantástica! A bem da verdade, esse livro é uma realidade fantástica, impossível dizer outra coisa.

Rita, em alguns momentos, me lembrou Imp, protagonista do livro A Menina Submersa, porque ambas possuem uma desconexão com a realidade. Só que Rita não faz uso de medicações para conseguir se situar no mundo, enquanto Imp precisa delas.

Tirando esse pequeno fato, posso dizer que gostei bastante da ideia de um peixe gigante estar observando Rita, aparecendo nos momentos mais inoportunos, geralmente quando Rita precisa superar um evento trágico.

E, claro, também temos as escamas e brânquias.

No decorrer da história, Rita se vê tomada pelas escamas, começando por sua mão. Ela não consegue se aceitar, encarando-se como um monstro. O único problema é que as escamas só são vistas por ela mesma.

O livro ia muito bem, me fazendo duvidar de tudo que Rita narrava, de tudo o que ela presenciava, afinal, podia ser tudo obra de sua própria cabeça. Aí… Teve um epílogo.

Por que o epílogo, dona Patrícia!?

Achei que o epílogo tirou um pouco da magia que havia sido construída até então.

No mais, adorei conhecer cada personagem, cada pedacinho da história de Rita e sua família.

3/5 estrelas.

O Santo e a Porca

09. O Santo e a Porca

Sinopse: Esta comédia em três atos, escrita em 1957, traz todas as características do Movimento Armorial, criado por Suassuna. Aproximando-se da literatura de cordel e dos folguedos populares do nordeste, narra a história de Euricão Árabe, um velho avarento devoto de santo Antônio que esconde em sua casa uma porca cheia de dinheiro.

Livro escolhido para o item 09. Um livro nacional. O engraçado é que, se não me engano, tinha tempo que eu não lia tanto livro nacional assim… Vocês entenderão nas próximas resenhas.

Este foi um livro que reli. A primeira vez que o li foi para a minha oitava série (atual nono ano?) em 2003. 15 fucking anos atrás. Are you feeling old enough?

Pois é…

Não há muito mais o que falar em relação a essa história que não tenha sido dito na sinopse.

Entretanto, devo dizer que há um ponto que muito me diverte nessa história toda. A Caroba é uma personagem fantástica! Ela é muito esperta, consegue bolar os planos mais mirabolantes e fazer com que eles dêem certo! Sério… Valeu a leitura pela Caroba! ❤

Foi uma peça bem divertida de ser lida, e bem rápida. O que é um ponto positivo, já que espero conseguir ler bastante nesse janeiro – mas não tanto quanto nos outros anos, porque preciso voltar a estudar…

Enfim…

3/5 estrelas.