Morte Edição Definitiva

Morte

Sinopse: Jovem, linda, pálida, gótica e… alegre? A Morte imaginada por Neil Gaiman veio para revolucionar nosso conceito (e preconceito) a respeito da Ceifadora. A irmã mais velha de Morfeus ganhou uma roupagem contemporânea e um conceito arrebatador para nascer como coadjuvante e roubar a história, tornando-se protagonista de duas minisséries e outras HQs, além de ter participação de destaque na série de seu irmão! Esta Edição Definitiva reúne pela primeira vez no Brasil todas as histórias estreladas pela personagem, incluindo O Som de Suas Asas (primeira aparição) e Fachada, publicadas originalmente em Sandman; as minisséries O Alto Preço da Vida e O Grande Momento da Vida; e as histórias Um Conto de Inverno (Vertigo Winter’s Edge 2), A Roda, Morte e Veneza (Noites Sem Fim) e A Morte Fala da Vida, uma HQ educativa sobre sexo seguro. Além de roteiros de Neil Gaiman, a edição tem artes de Chris Bachalo, Mark Buckingham, Mike Dringenberg, P. Craig Russell, Dave McKean e mais! Como extras, a edição traz o roteiro de Sandman 8; uma imensa galeria de pin-ups e diversas informações sobre colecionáveis da Morte que todos gostaríamos de encontrar um dia!

De todos os Perpétuos, creio que a Morte é a minha favorita. Claro que eu tenho um amor por todos os sete, de uma forma que não consigo deixar de torcer por eles, até mesmo pel@ Desejo.

A Morte, entretanto, é a que mais me faz pensar, que me fez ter uma nova visão sobre a vida e a morte, sobre a humanidade, sobre, bem, tudo.

Ela é uma personagem profunda, que tem várias nuances e faces, todas elas dispostas de tal forma que se complementam, que se fundem para criar uma personagem maravilhosa, que ama a vida e a sua família, que tenta ajudar as pessoas.

É também quem tem um trabalho difícil.

Ela nos encontra quando nascemos e está lá para nos receber quando morremos, sempre à disposição para conversar, para mostrar um sorriso gentil enquanto fazemos a travessia para a terra sem sol.

E para saber exatamente o preço de sua dádiva, ela escolheu viver um dia a cada cem anos, para nunca esquecer o quanto o seu trabalho é importante, o quanto cada vida vale.

Já li muitas estórias, muitos quadrinhos, mas nenhum trabalho se iguala ao mundo dos Perpétuos. Neil Gaiman construiu um universo derivado do nosso tão maravilhoso e real, tão fantástico… É realmente uma obra prima.

Sobre a edição definitiva, posso dizer que me impressionei com ela. Mesmo com várias histórias que eu já tinha lido, há algumas que eu nunca havia visto antes e que me deixou mais do que feliz com a surpresa.

Li Morte Edição Definitiva para o mês de setembro do Mini Desafio de Leitura, sempre fico impressionada quando leio o livro no mês correto… Hahahaha!

5/5 estrelas.

Advertisements

Valerian

Valerian.jpg

Sinopse: Século XXVIII. Valérian (Dane DeHaan) é um agente viajante do tempo e do espaço que luta ao lado da parceira Laureline (Cara Delevingne), por quem é apaixonado, em defesa da Terra e seus planetas aliados, continuamente atacados por bandidos intergaláticos. Quando chegam no planeta Alpha, eles precisarão acabar com uma operação comandada por grandes forças que deseja destruir os sonhos e as vidas dos dezessete milhões de habitantes do planeta.

Tentarei fazer uma resenha spoiler free, porque, afinal, o filme é um lançamento. Eu acho.

Comecei a assistir o filme achando simplesmente fantástico que ele fez o que eu esperava que ele fizesse. Ou melhor, que torcia para ele fazer. Ele explicou exatamente como foi que Alpha, a cidade de mil planetas, veio a existir.

Gente, eu AMO explicações de como as coisas começaram, de como as coisas funcionam. Eu amo explicações! O que é um tanto irônico já que eu amo deixar as minhas histórias em aberto… Então sim! Eu achei simplesmente fantástico explicarem como a “Cidade de mil planetas” veio a existir.

A fotografia desse filme foi fantástica e adorei ver as nuances de cada raça, de cada planeta que os agentes Valerian e Laureline visitaram.

Agora… Sobre os agentes… Honestamente achei a química entre eles inexistente e que os atores pareciam um pouco perdidos em relação aos seus personagens. Ou talvez seja o fato de que os dois atores escolhidos sofram de resting bitch face crônico. Eles ficam com cara de cu durante o filme todo. Geez!

Gostei bastante da Bubble – personagem da Rihanna – e achei que a atuação dela foi muito boa!

All in all, foi um filme divertido que vale a pena ser assistido em 3D mesmo eu não tendo conseguido assistir direito graças aos meus óculos…

3/5 estrelas.

E, sim, estou com 12 horas de atraso, mas tenho corrido bastante com a minha vida. Tenham paciência, ok? ❤

Arkham Asylum

24-arkham-asylum

Para o item 24. Um livro que tenha ilustrações li Asilo Arkham de Grant Morrison.

Sinopse: “Asilo Arkham – Uma Séria Casa em Um Sério Mundo” é um impactante conto de horror psicológico protagonizado por Batman e praticamente todos os internos do Asilo Arkham, o lar dos criminosos insanos de Gotham. Liderados pelo Coringa, esses pacientes – Duas-Caras, Chapeleiro Louco, Crocodilo, Cara de Barro, Espantalho e muitos outros – dominam as dependências do lugar e tomam como reféns seus empregados. Eles pretendem libertar os pobres funcionários, mas somente se uma condição for cumprida: o Homem-Morcego deve se entregar… e se tomar um deles!
Escrita pelo gênio dos quadrinhos GRANT MORRLSON (LIA Os Invisíveis, Novos X-Men) e lindamente pintada por DAVE McKEAN (Sandman, Mr. Punch, Cages), essa controversa narrativa gráfica acompanha Batman enquanto ele encara seus mais perigosos inimigos e seus piores demônios interiores.
A graphic novel mais bem-sucedida de todos os tempos de volta em uma edição especial, incluindo a revolucionária história na íntegra, seu roteiro completo com comentários do autor, layouts originais das páginas e um posfácio inédito da editora Karen Berger

Achei a história interessante, o Coringa é sempre um personagem que me instiga e a forma como ele provoca as reações do Batman me impressiona. Foi legal também porque mostra todos os inimigos que foram presos no asilo e o que aconteceu com eles.

Por mais que tenha adorado a história da transformação da casa em asilo, não gostei muito da reviravolta que colocaram em relação aos Arkham se não me engano é o sobrenome da família que morava na casa e donos do asilo, achei bem forçado.

All in all, foi uma HQ bem divertida de ler. 3/5 estrelas.

Loki

Loki.jpg

Acho que já disse algumas vezes por aqui que sou apaixonada pelo Loki, então, quando vi a HQ que conta a versão dos fatos do ponto de vista do Loki, não tive condição de deixar de comprar.

Como é bem possível imaginar, o Loki do universo cinematográfico Marvel é muito mais legal maoe? que o Loki dos quadrinhos. Mesmo assim, adorei ver que nessa história o Loki nem é assim tão filho da puta.

E eu fiquei com dózinha dele.

3/5 estrelas.

Deadpool – Wade Wilson’s War

 

E voltando aos devidos vícios Deadpoolianos graças ao Caio-senpai, li a HQ Deadpool – Wade Wilson’s War.

deadpool-wade-wilsons-war

A HQ mostra uma versão ou seria algumas versões? da história de origem de Deadpool. Ele se encontra em uma sessão judiciária no Congresso Americano em que precisa explicar uma série de mortes que se passaram em uma cidadezinha no México.

O interessante desta HQ é que a narrativa não-linear de Deadpool se torna ainda mais não-linear. Em momento algum existe certeza do que é realidade e do que é fantasia, do que é verdade e do que são mentiras boladas pela mente insana do Deadpool.

Até mesmo os companheiros de missão do Deadpool não são tão realistas assim. Diria que são borderline reais. Estão no limiar. Dominó, Mercenário e Silver Sable são ao mesmo tempo fantásticos demais para existirem de verdade e exatamente o que esperava encontrar ao lado do Deadpool em alguma missão.

Achei interessante, também, o fato de que enquanto Deadpool narrava, havia dois frames mostrando a imaginação/visão do Deadpool e como Wade Wilson suportou os fatos na realidade.

Gostei da HQ, mas não foi uma das minhas favoritas do Deadpool. Ganha 4/5 estrelas porque Deadpool é fantástico e me diverti lendo.

Poe Dameron

E saiu uma nova HQ baseada nos eventos do filme Star Wars: The Force Awakens! Nesta HQ, acompanhamos o piloto Poe Dameron em sua busca por informações do paradeiro do último mestre Jedi, Luke Skywalker.

Poe Dameron 01

Sinopse: Poe Dameron, former Republic flyer turned Resistance fighter, is the best pilot in the galaxy. Hand-picked for the resistance by General Leia Organa to lead a squadron on a top secret and vital mission…Poe sets off investigating sites of historical importance to the Force. Revealing backstory leading directly into the holidays’ greatest adventure, follow Poe and his X-Wing squadron on covert missions against the First Order brought to you by writer Charles Soule (Star Wars: Lando, Daredevil) and artist Phil Noto (Star Wars: Chewbacca, Black Widow)!

Vou começar com um pedido de desculpas pela sinopse em inglês. Li a HQ em inglês, porque não a encontrei para ler em português, por isso a sinopse está em inglês. SorryNot sorry.

Como disse antes, aqui acompanhamos o início da quest do Poe pelo “mapa” para encontrar o Luke (SPOILER ALERT – aquele que ele consegue antes de ser capturado pela First Order e que dá início aos eventos do filme The Force Awakens).

Ao contrário do Rey’s Story, essa HQ mostra os eventos antes do filme. O que implica uma história que não conhecemos (pontinhos positivos pra HQ).

O que eu realmente gostei na HQ é ver que o Poe é um tanto parecido com o Han, ele tem aquele toque de prepotência e de níveis estratosféricos de “confiar no próprio taco”, o que torna a leitura da HQ muito gostosa e ridiculamente engraçada em alguns pontos, exatamente porque a obviedade do Poe se ferrar é tão clara. Sou só um pouco sádica.

Outra coisa que eu gostei bastante na HQ é que a Leia tem o papel mais importante, o cargo mais alto da nova Aliança Rebelde. Não achei que no filme isso tenha ficado tão claro quanto na HQ. Fora que ela é sim uma personagem fantástica para não falar um outro adjetivo que começa com f.

All in all, achei uma história interessante e que vale sim a pena ser lida. 3/5 estrelas.

The Wicked + The Divine

E voltemos a falar sobre HQs.

Hoje trago mais uma resenha de HQ, porque acho válido, afinal, estou resenhando tudo o que estou lendo. Aceitem.

The Wicked + The Divine

The Wicked + The Divine é uma HQ da editora Image, o autor é o senhor Kieron Gillen e o desenhista é o senhor Jamie McKelvie. Honestamente nunca tinha ouvido falar da série, editora ou autor/desenhista.

O que importa sobre minha descoberta dessa HQ? Foi a Fah que me indicou (ela tem um ótimo gosto!) e desde que comecei a ler os – atuais – 18 volumes lançados não consegui parar de ler até chegar ao último (será uma longa espera até o dia 04/05).

E vamos continuar.

Sinopse: A cada noventa anos, doze deuses reencarnam como humanos. Eles são amados. Eles são odiados. E dentro de dois anos, eles morrem. O time responsável pelos sucessos de crítica Jovens Vingadores e FONOGRAMA se reúnem em um novo conto de fantasia super-heroica, com belas edições de tamanho extendido. Bem-vindo a THE WICKED + THE DIVINE, onde deuses são as estrelas supremas do pop. Mas lembre-se: só porque você é imortal, não significa que vá viver pra sempre.

Acompanhamos a história de Laura, uma garota de 16 anos fascinada pelo Panteão. O Panteão é formado pelos 12 deuses encarnados, e Laura acaba se aproximando deles de uma forma ou de outra. Assim, somos apresentados a Lucifer ( ❤ ), Amaterasu, Sahkmet, Baal, Morrigan e muitos outros membros do Panteão.

Além do que, acompanhamos o “nascimento” dos deuses que ainda não haviam se apresentado.

A história é mais complexa do que imaginamos primeiramente, afinal, mesmo que eles sejam deuses, são “pessoas”, têm seus desejos, seus medos, suas vidas curtas e com duração de apenas 2 anos.

Cada deus tem seus poderes, seus pontos positivos e negativos, são amados e são odiados. Alguns mais odiados que amados, mas isso faz parte.

Os desenhos que ilustram a história são simplesmente deslumbrantes. Creio que foi o que me chamou primeiramente a atenção para a HQ. Adoro desenhos bonitos com cores brilhantes. Posso dizer que foi amor à primeira lida.

É uma HQ que vale a pena ser lida. Pelos desenhos, pela história, pela inclusão – de gênero, sexual, racial, cultural – assim como pela discussão sobre racismo, sobre poder, sobre a vida e a morte. (Como eu disse, uma história mais complexa do que imaginamos).

4/5 estrelas.