Undying

Após a leitura de Os Eternos: O Legado, fiquei desesperada para saber como a estória se encerraria e dei pulos de alegria ao descobrir que a continuação estava disponível na Audible.

Aqui continuamos exatamente de onde Os Eternos termina, com Mia e Jules presos na nave dos Eternos e indo em direção à Terra.

Tendo em vista que os garotos finalmente conseguem descobrir que os Eternos estão vivos e prontos para invadir o nosso planeta, é praticamente impossível terminar a leitura do primeiro livro e não querer saber como isso se resolve. Ainda mais porque temos muitos, mas muitos problemas para serem resolvidos nesse livro. O primeiro – e mais importante – deles sendo: como Jules e Mia conseguirão voltar para Terra?

No geral esse livro me deixou com um misto de felicidade e de irritação em mesma medida.

Calma, eu explico.

Eu realmente estava completamente desesperada para saber como as coisas se resolveriam do primeiro livro e, é até justificável a forma como Jules e Mia se aproximam em Gaia, mas a partir do momento que eles chegam na Terra, isso fica bem estranho. Os problemas se resolvem de uma forma mais fácil e simples do que você imagina e o romance simplesmente não cabe na estória.

É como eu disse para a Jully, tirando a parte do romance – que flerta bastante com o erótico – achei este livro bem mais infanto-juvenil do que YA. A forma como os problemas se resolvem me irritaram bastante.

Ao final, volto a imaginar que o maior problema desse livro foi a tal da expectativa.

3/5 estrelas.

Advertisements

Sadie

Sinopse: Uma garota foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado entre um pomar de macieiras e uma escola incendiada nos arredores de Cold Creek, Colorado. Seu nome era Mattie Southern, e ela só tinha treze anos.
A pequena Mattie era a única conexão de sua irmã mais velha, Sadie Hunter, com o mundo. Quando elas foram abandonadas pela mãe, que era viciada em álcool e outras drogas, Sadie cuidou da irmãzinha como se nada mais importasse.
Agora, tudo o que a garota de dezenove anos quer é fazer justiça com as próprias mãos. E nem mesmo a gagueira que dificulta sua comunicação vai impedi-la de encontrar o paradeiro do assassino. Desde que partiu atrás do abusador que tirou a vida de Mattie, Sadie nunca mais foi vista. O que aconteceu com ela?
A única pessoa disposta a encontrar respostas é o jornalista West McCray. Quando a polícia não conseguiu resolver o caso, a avó de consideração das garotas pediu a ajuda dele. O repórter está seguindo o rastro de Sadie e, ao longo de sua investigação, ele produz um podcast. Cada pista descoberta revela uma verdade desoladora.
Dividido entre o podcast de West McCray e a narrativa da personagem, Sadie é um thriller que perturbará você até a última página. Afinal, uma garota desaparecida é sempre uma história inacabada.

Conheci a Milena na FLIPOP 2019 e fiquei tão feliz de conhecê-la que dei o livro Sadie para ela e, assim, combinamos a leitura coletiva dele. Já estava curiosa com esse livro e só precisava de uma desculpa para realizar a leitura dele.

Acompanhamos a história por dois pontos de vista, o de Sadie e o do repórter West McCray em duas formas, a de investigação e a do podcast, no qual ele conta a história das irmãs Southern.

O interessante deste audiobook é que ele é full cast, ou seja, cada personagem tem seu próprio intérprete, o que traz ainda mais profundidade para a narrativa e para os próprios personagens. Em particular, a intérprete da Sadie me deixou embasbacada com seu trabalho. Me senti na pele da personagem de formas que não esperava.

Adoro livros policiais, mas devo avisar que o tópico deste livro é mais tenso e pesado do que eu esperava, afinal fala de pedofilia, assassinato, roubo, justiça com as próprias mãos… Trata de muitos assuntos extremos e que incomoda de uma forma indescritível.

Sadie tem uma pista sobre o assassino da sua irmã e por isso toma a decisão de persegui-lo. Ela não imaginava que o trajeto seria longo e doloroso, que descobriria mais facetas horríveis de um mundo podre.

Por estar tão próxima do caso, Sadie muitas vezes se mostra uma narradora não confiável, afinal, ela está completamente envolvida tanto emotiva quanto psicologicamente. E o fato de ela não ter todas as peças e buscar solucionar o assassinato da irmã, coisa que a polícia não conseguiu – ou não se importou – torna toda a história ainda mais intensa.

A participação de West se dá no mesmo sentido que a investigação de Sadie, afinal, ele está procurando por ela, novamente em uma busca que a polícia não conseguiu ou se importou em realizar. Ele se aproxima do caso aos poucos, traz outras facetas que Sadie – talvez por sua idade ou incapacidade de empatizar com sua família – não consegue nos mostrar.

As narrativas se complementam, tornam a imagem mais nítida e nos traz informações que de forma independente não conseguiríamos perceber.

4/5 estrelas e favoritado. Obrigada pela leitura maravilhosa Mi!

Os Eternos: O Legado

Sinopse: Quando a mensagem de uma raça alienígena há muito extinta chega à Terra, parece ser a solução que o planeta precisava. A tecnologia avançada dos Eternos tem a capacidade de reverter dano ambiental e mudar vidas – e Gaia, o antigo planeta natal deles, é um tesouro esperando para ser descoberto.
Para Jules Addison e seus colegas acadêmicos, a descoberta de uma cultura alienígena oferece uma oportunidade extraordinária para estudo… desde que saqueadores como Amelia Radcliffe não roubem tudo. As diferentes razões que Mia e Jules têm para se infiltrar em Gaia os colocam em conflito, mas são obrigados a formar uma frágil aliança depois de enfrentarem outros saqueadores.
Para entrar no templo dos Eternos e acessar a tecnologia e informações nele escondidas, eles precisam decifrar os antigos segredos dessa raça extinta e sobreviver às suas armadilhas. Mas quanto mais aprendem sobre os Eternos, mais sua presença no templo parece parte de algo maior que pode determinar o fim da raça humana…

Peguei este livro para ler depois de escutar muitos elogios vindos dos meus amigos. Como já conhecia a Amie dos trabalhos dela com o JayJay, devo assumir que estava com expectativas altas em relação a este livro.

Acompanhamos a jornada da Mia e do Jules em Gaia, um planeta completamente diferente da Terra e que traz desafios próprios graças à diferenças de atmosfera e pelo fato de que Gaia possui dois sóis.

Outra coisa que me chamou bastante a atenção é que Mia e Jules são pessoas completamente diferentes. Enquanto Mia é uma catadora – uma pessoa que se dedica a encontrar artefatos que possa ser vendido – americana enquanto Jules é um estudioso inglês. Para ele nada é mais importante que preservar o conhecimento.

Então além de todos os problemas do local onde se encontram, eles também precisam lidar com as diferenças inerentes aos seus objetivos em Gaia para conseguirem sobreviver juntos.

Durante a leitura do livro inteiro, fiquei impressionada como as coisas foram desenvolvidas, porque tudo é feito de forma que os fatos aconteçam em um crescendo, que nos envolve e que permite que aceitemos cada novo desafio, cada novo problema. Ver a forma como eles aprendem a confiar um no outro, a trabalhar como equipe para ultrapassarem cada obstáculo é incrível.

Acredito que o único ponto negativo(?) que existe no livro seja o romance. Como tanto Mia quanto Jules narram, podemos ver como eles se sentem em relação ao outro. Enquanto Mia tem um posicionamento completamente “racional” frente a Jules – no sentido de que ela tem hormônios à flor da pele e ele é o único rapaz próximo – é bem mais convincente que o posicionamento do Jules que foi instalove. Ele se apaixona pela Mia assim que a vê pela primeira vez. E isso é um pouco chato, para dizer no mínimo, mas não é algo que atrapalhe a história.

No geral, o livro me surpreendeu de uma forma impressionante e fiquei tão envolvida que terminei de ler o livro em um único dia.

5/5 estrelas e empolgadíssima para a continuação!

Uma Monografia sobre Engarrafamentos

Sinopse: Ah, o trânsito de São Paulo! É nos engarrafamentos quilométricos que muitos paulistanos passam boa parte dos seus dias. Matheus Albuquerque é uma dessas pessoas, porém, ao contrário da cidade barulhenta, ele é um rapaz de poucas palavras.
Quando um sedã colide com um charmoso Uno amarelo na Avenida Tiradentes, Matheus se vê mais uma vez em um engarrafamento. Sem nada que possa fazer para mudar a situação além de esperar, ele decide reportar o acontecido no Waze para que outros usuários do GPS fiquem alertas e evitem passar por aquele trecho. Após a publicação do aviso, através do chat do aplicativo, Matheus inicia uma conversa com uma motorista que está presa no mesmo trânsito congestionado: Felícia, que por acaso é a dona do Uno atingido pelo sedã.
Ele não imaginava que na tentativa de retornar para a sua casa depois de um dia cansativo conheceria uma moça tão boa de papo como Felícia. Notificações de novas mensagens não param de aparecer em seu celular enquanto ele espera o trânsito se normalizar, mas até onde essas mensagens animadas poderão levar o jovem de poucas palavras?
Em “Uma Monografia Sobre Engarrafamentos”, Ana Yassuda faz escolhas narrativas capazes de provocar infinitas sensações e emoções, e nos presenteia com personagens sensíveis e complexos, em busca de caminhos que os tornem capazes de usar suas vozes de um jeito novo.

Conheci a Duplo Sentido Editorial durante a FLIPOP 2019 e acabei comprando dois livros da editora. O Uma Monografia sobre Engarrafamentos e o 281 Dias para Recuperar um Sorriso. A autora de 281 Dias foi uma fofa e me ajudou a escolher esses dois livros, tendo em vista que é uma editora com livros de romance.

Acabei de ler este livro hoje (25/08) e devo dizer que, mesmo com 179 páginas, se mostrou cansativo.

Tenho problemas com muitas repetições para relembrar o leitor do que já aconteceu no passado e isso é algo que acontece por muito tempo durante o livro. Lembrando o que aconteceu com o protagonista, ou o fato de estar escrevendo uma monografia, ou o tanto que a Felícia é um caleidoscópio… E continuava nas repetições a cada capítulo.

Achei bem interessante a premissa dessa história, porém a forma como foi desenvolvida me deixou meio que com a impressão de que essa história funcionaria melhor como fascículos, capítulos separados, mas não funcionou tão bem como um livro.

Mesmo assim, a leitura é fluida, facilitando a leitura da história.

3/5 estrelas.

Warped Galaxies: Claws of the Genestealer

Sinopse: Brave champions and the forces of the Imperium battle alien beasts and mechanical tyrants accross the gulf of space.
Having crash landed on a remote ice planet, Zelia Lor and her friends Talen, Mekki and the super-intelligent alien-ape Fleapit must do whatever they can to survive. A distress beacon offers some hope of rescue, but what else lurks in the ice and snow, watching them with hungry eyes…?

Ao contrário do que aconteceu com Realm Quest: Lair of the Skaven, neste segundo livro continuamos com a narrativa mudando entre personagens e capítulos, o que mostra uma dinâmica completamente diferente e sempre interessante dos personagens.

Como sempre, acho importantíssimo conhecer a fundo os personagens – tanto principais quanto secundários – então adoro quando com essas mudanças de ponto de vista conhecemos as personalidades e motivações de cada personagem.

Fora que adorei conhecer um pouco mais do passado do Fleapit. ❤ Eu e minha paixão pelos alienígenas com conhecimento tecnológico…

Não sei dizer se foi o fato de ser ficção-científica ou se foi somente o fato de que todos os personagens tem seu momento de narração, mas gostei mais desta continuação do que da de Realm Quest. Será possível que meu gosto por fantasia foi completamente substituído pelo amor por ficção-científica?

5/5 estrelas e aguardando a continuação!

Daughter of Smoke and Bone

Sinopse: “Um romance de tirar o fôlego, sobre destino, esperança e a busca de si mesmo” The New York Times.
Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu. Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo. O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.

Este ano a Nati, a Malu e o João deram início à leitura coletiva de Feita de Fumaça e Ossos, até ia participar da leitura, mas fiquei com um pouco de preguiça porque não tenho muitas boas experiências nessas grandes leituras coletivas. Sou chata mesmo.

Mas já estava nos planos de ler esses livros desde que o comprei na Amazon. Só não imaginava que iria gostar tanto desse livro.

Gente estou completamente apaixonada pela Karou!

Costumo ter uma chatice de não ser muito fã das personagens principais dos livros que leio, mas a Karou conseguiu desconstruir totalmente esse pensamento. Simplesmente porque ela é uma fofa, muito carismática e NÃO É BURRA!

Tudo bem que ela não sabe muito bem o que está acontecendo por falta de informações, MAS ela não é burra. ❤

Outra coisa que me conquistou permanentemente é o mistério desse livro. O mistério que ronda essa história é tão incrível que fiquei completamente deslumbrada com o que estava acontecendo, tentando entender o que estava acontecendo com a Karou, com a realidade dela…

Ai gente, nem consigo colocar tudo em palavras pra não tirar a magia dessa leitura… Porque vale a pena.

5/5 estrelas e favoritado! Quero muito ler o próximo livro logo~

Todo Mundo Merece Morrer

Sinopse: Treze vidas que se cruzam por acaso e se tornam ligadas por um assassinato. O massacre planejado é impedido por um corajoso jornalista. O padre ali presente logo chama socorro e abençoa a alma altruísta que ajudou a evitar a tragédia. 
Um pobre médico morreu, vítima de um crime sórdido, que acabou com a vida de um homem de bem. Felizmente os demais passageiros estão a salvo. 
A narrativa padrão, habitualmente construída pela sociedade, é deixada aos pedaços por Clarissa Wolff nesta história em que ninguém é o que parece. Neste grupo heterogêneo de pessoas, uma coisa é certa: não há possibilidade de salvação.

Fiquei interessada nesse livro após ver que era um thriller e que se passava no metrô de São Paulo. Sempre amei a cidade de São Paulo e fiquei super curiosa para saber como as coisas aconteceriam durante a narrativa.

A narrativa é bem construída, nos apresentando a cada personagem que se encontrava dentro do vagão quando o atentado acontece. Então ficamos sabendo um pouquinho sobre o passado de cada personagem, quem eles são.

E, tudo bem, eu entendo a vontade da autora de mostrar que nem sempre as pessoas que sobrevivem são inocentes, nem sempre as pessoas que causam esses atentados são “culpadas”, mas…

Olha… Se a premissa da autora era chocar, considere-me chocada. Passei mal durante a leitura desse livro porque todas as personagens que a Clarissa criou são muito reais – e muito filhos da puta.

E, novamente, entendo a premissa do livro, mas a forma como há uma generalização em relação aos arquétipos que ela usa, e a justificativa que ela traz para o crime final me deixou frustrada.

3/5 estrelas.