Garota Exemplar

IMG_20180422_125157_187

Sinopse: Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, “Garota Exemplar” alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele?

Este foi o segundo livro do projeto The Living Book Jar que estou participando com o Rique – ele me diz qual livro vou ler no mês e eu não tenho direito de trocar ou não ler o livro. Sem pressão.

Também é um dos livros favoritos da Nath e que ela disse que se eu não gostasse dele teríamos que reavaliar a nossa amizade. SEM PRESSÃO.

Para minha sorte, o livro é muito interessante e bem construído. Com uma premissa fantástica e uma narrativa que varia pontos de vista e que acaba não nos permitindo algum nível de confiança com os narradores.

Conhecemos Amy, uma garota rica, bem de vida e que é inspiração para livros infantis, e Nick, um típico americano que subiu na vida através do seu trabalho duro e sua bela aparência. Eles se conhecem, se apaixonam e se casam. Passam por dificuldades financeiras, tragédias familiares e acabam se mudando de Nova Iorque para o Missouri. Tanto Nick quanto Amy precisam se adaptar à nova realidade, aos problemas que precisam superar, ao relacionamento deles.

Como eu disse, a narrativa intercalada serve para nos mostrar o que cada um dos personagens estava pensando durante o desenrolar daqueles fatos, mostrando a realidade como cada um deles a enxerga. O que os tornam narradores nem um pouco confiáveis.

Tudo o que ia acontecendo na história era perceptível que tinha mais de um ponto de vista. O sumiço de Amy é todo envolto em pontos estranhos, a narrativa é tão intensa e de certa forma macabra que, mesmo demorando alguns capítulos para realmente entrar na história, me envolveu que não queria deixar o livro de lado.

Com certeza quero conhecer os outros livros da senhorita Gillian, gostei muito do seu estilo de narrativa e se tornou um dos meus livros favoritos.

4,5/5 estrelas e favoritado.

Advertisements

Ouija: Origem do Mal

Ouija a Origem

Obrigada pelos momentos de terror enquanto sua terceira companheira de casa abria a porta, Aline. Não vou superar esse fato tão cedo…

Sinopse: O filme é novamente inspirado no antigo tabuleiro Ouija – superfície plana feita em madeira que possibilita a comunicação com espíritos. De volta aos anos 1960, uma jovem menina se encontra com forças sobrenaturais que se apossam do tabuleiro Ouija usado pela família.

Em Ouija (2014) descobrimos que todo o problema que acometeu Debie foi culpa da família que morava anteriormente em sua casa. Essa família, composta por uma mãe e duas filhas, era conhecida por seus “poderes sobrenaturais”, ou seja, a mãe era uma charlatã que usava suas filhas para conseguir dinheiro de pessoas que queriam falar com seus entes queridos que já faleceram.

Por que eu trago isso à tona? Porque, you guessed itOuija: Origem do Mal vai contar exatamente essa história! A história de como essa família foi se meter com os poderes do tabuleiro de Ouija.

No começo, a mãe era exatamente isso, uma charlatã. Buscava uma forma de conseguir dinheiro relativamente fácil e tinha vários mecanismos muito bem bolados e inteligentes para conseguir convencer seus clientes de que estavam realmente contactando o mundo dos mortos.

Até que a filha mais velha, Lina, tem a brilhante ideia de falar para a mãe comprar um tabuleiro Ouija para incrementar o teatro.

Problema 1: a filha mais nova, Doris, é suscetível aos poderes obscuros do sobrenatural.

Problema 2: A PORCARIA DA CASA É UM CEMITÉRIO!

Eu juro, JURO, que um dia quero ver/ler uma história de terror que as pessoas realmente seguem as regras e que as coisas dão errado no final. Provavelmente terei que escrever essa história…

Então vamos às regras: Nunca jogue sozinho, Nunca jogue em um cemitério, Sempre diga adeus.

No primeiro momento em que vemos a mãe mexendo com o tabuleiro? Ela sozinha começa a fazer perguntas para o tabuleiro. Certo, ela não tinha feito o ritual para começar a brincadeira, MAS OS ESPÍRITOS OBVIAMENTE NÃO LIGAM PARA ESSA REGRA, e sim estava testando para ver se os ímãs funcionavam, só que ela abriu o portal.

E coisas passam por portais. Principalmente quando eles estão abertos.

Claro que ela não se despediu, porque não estava brincando, então só nesse primeiro momento há quebra das 3 regras. Tudo bem que elas não sabiam que a casa era um cemitério, mas quem liga.

Long story short, a pequena Doris se torna possuída pelos fantasmas dos coitados que foram torturados e mortos dentro da sua casa e começa a matar todo mundo.

O que por si só seria uma história relativamente boa, mas que, tendo sido criada como um prequel para o filme de 2014, deixa e muito a desejar.

Por exemplo, no Ouija, Lina diz para Lanie que sua mãe costurou a boca de Doris e que ela usava os poderes desta para ganhar dinheiro, mesmo que Doris não quisesse participar. Em Ouija Origem, Doris pede para participar, pede para ajudar a mãe com suas sessões.

Vêem? Falta de nexo.

Parece que a produção e direção do Origem resolveu ignorar o filme de 2014. Mesmo que seja a mesma história.

Não gostei do filme e não me assustei realmente.

Tirando quando a guria chegou no meio do filme. Eu não estava esperando, ninguém estava esperando, MAS EU NÃO SABIA DA EXISTÊNCIA DELA. Foi tenso.

1,5 estrelas.

Rua Cloverfield, 10

cloverfield-lane

 O filme se inicia com Michelle saindo de casa, aparentemente tendo terminado o noivado, e seguindo viagem para o seu futuro. Ela sofre um acidente de carro e acorda no porão da casa de um desconhecido.

Temendo ter sido sequestrada, Michelle planeja de várias formas sua fuga, incluindo no seu plano Emmett, um outro refugiado de Howard. Howard é um desses alucinados pelo apocalipse, tendo construído um bunker preparando-se para o fim dos tempos.

O que eu achei mais divertido em relação ao filme é que existe uma tênue linha separando realidade de fantasia.

Meses se passam com Michelle e Emmett vivendo na paranoia de Howard, tendo comprado a ideia dele e tornando-se próximos. Quando são obrigados a perceber que Howard talvez seja apenas um velho paranoico, não sabemos exatamente se é Howard o problema ou se Michelle e Emmett que estão perdendo-se em meio à paranóias próprias.

O filme em si é fantástico. Tendo sido filmado praticamente em apenas um local diminuto, o bunker, a atuação entre os atores é muito bem caracterizada e os personagens tornam-se cada vez mais próximos, mais unidos e confiantes entre si. Tornam-se uma família.

O final, entretanto, deixou a desejar. E aqui caímos naquele velho lema meu: na MINHA opinião. Não é que eu não goste do que aconteceu no final, mas acho que foi um exagero. Terror/suspense psicológico é uma forma muito mais consistente e tensa de se fazer um filme. Então… É.

Brochei com o final. O que justifica as 3,5/5 estrelas. Eu juro que tento ser consistente e não dar notas “quebradas”, mas tem filme que merece.

A Sétima Alma

a-setima-alma

Em A Sétima Alma somos apresentados, na primeira cena, a um assassino em série conhecido como o Estripador de Riverton. Vemos, então, um casal em sua casa, a mulher grávida assistindo à TV e o homem no porão construindo um cavalo de madeira. No decorrer da cena, descobrimos que o homem tem múltiplas personalidades e que existe a chance de ele ser o assassino. Várias coisas acontecem e o homem morre, seu corpo nunca sendo encontrado. No instante em que ele morre, 7 crianças nascem prematuras na cidade.

E este é o tom do filme.

Há uma teoria de que as personalidades do homem encarnaram em cada uma das crianças, inclusive a do assassino – que jurou se livrar de cada uma dessas personalidades antes de morrer.

O filme em si possui uma coisa que me agrada muito – e que é, basicamente, um must have para que eu goste de uma mídia – a narrativa dele é não-linear. Cada uma das crianças se torna narrador em algum ponto do filme, sendo que Adam/Bug é a personagem principal do filme.

Outra coisa que me fez gostar muito do filme é que o suspense dele é tão bem feito que em momento algum sabemos quem é a criança/assassino, ao menos não até o final do filme. O suspense foi feito em doses homeopáticas então os sustos que recebemos não são nem excessivos nem poucos e muito menos forçados.

Mereceu suas 4/5 estrelas.