A Hora das Bruxas II

E continuamos a acompanhar o Talamasca, Michael e a dra. Rowan Mayfair no segundo volume d’A Hora das Bruxas de Anne Rice.

A Hora das Bruxas II.jpg

Sinopse: A Talamasca, um grupo com poderes extrassensoriais voltados para o bem, durante séculos pesquisou a vida da família Mayfair, uma dinastia de bruxas que começou no século XVII, na Escócia, transplantou-se para o Haiti e de lá para a fantasmagórica Nova Orleans. É através dos seus volumosos arquivos que vamos descobrir essa saga de seres decadentes e mórbidos, convivendo pacificamente com o incesto e as tempestades e um espírito, meio divindade céltica, meio demônio, chamado Lasher.
Anne Rice mais uma vez prova por que é a mestra do gótico contemporâneo, dominando, ao mesmo tempo, as rédeas do drama, da inspirada sexualidade e do fantástico.

Mas… Essa não era a sinopse do primeiro livro..?

Well… Sinopses iguais à parte, o que importa é o conteúdo do livro! Não é..?

Enquanto no primeiro volume nos deparamos com a história da família Mayfair revolvendo ao redor da pequena e desmiolada Deirdre Mayfair, no segundo volume vemos mais de Rowan, seu relacionamento com Michael, Lasher e o Talamasca. Preciso dizer que o Aaron é um personagem que me cativa.

[INÍCIO DOS SPOILERS]

Como já disse na sinopse de Cântico de Sangue, Michael e Rowan se casam! É muita felicidade pra uma pessoinha como eu! Foi tão lindo, foi tão romântico, foi tão fantasticamente tudo o que eu esperava que fosse!

Pelo menos antes da história tomar o seu fatídico rumo à desconstrução da melhor personagem Mayfair e do nascimento do primeiro Talto.

O que mais me deixou impressionada com o livro foi a forma como a tia Rice conseguiu descrever a capacidade humana de se enganar. Seja através de fatos ocorridos ou que podem via a ocorrer. O poder da mente sobre o corpo.

Esse é o ponto chave da história dos Mayfair, na verdade. Como a mente pode transmutar a matéria e suas vontades e suas crenças.

Foi fantástico ver como cada uma das personagens se enganava ao ponto de acreditarem ter o poder para lidar com Lasher. Para lutar contra ele. Para impede-lo de seus feitos, seus planos.

[FIM DOS SPOILERS]

Se eu fiquei feliz com a forma como o livro acabou ou como as coisas se desenvolveram no final, for that matter? Não, não fiquei. Fiquei um tanto decepcionada com esta ser a conclusão do livro, para ser bem sincera. E, como eu disse, a desconstrução da personagem Mayfair mais legal me deixou bem chateada.

Mas foi um livro bom para se ler. O último capítulo do livro, escrito por Michael, foi de uma sensibilidade tamanha e que traz discussões que podem ser empregadas sobre a nossa realidade.

4/5 estrelas, muito a contragosto.

Advertisements

Cântico de Sangue

E a cada dia que passa estou mais próxima de encerrar o desafio! Yay!

Para o item 16. Um livro que você tem, mas nunca leu escolhi Cântico de Sangue da Anne Rice.

16. Cântico de Sangue

Sim, eu acho que o meu desafio deveria se chamar Desafio da Anne Rice, vai ler tanto livro de um mesmo autor assim lá longe!

Sinopse: O vampiro Lestat não pode mais esconder seu amor pela bruxa Rowan Mayfair. Entrelaçando os principais personagens de suas mais importantes sagas, As Crônicas Vampirescas e Os Bruxos Mayfair, Anne Rice cria uma obra de impressionante suspense e erotismo, onde o menor dos impactos é descobrir em Lestat a sede da redenção.

Certo… Estou começando a perceber que essas sinopses da Rocco estão cheias de typos. Todos sabemos que os livros A Hora das Bruxas conta a história dAs BruxAs da família Mayfair. Não há, nos registros dO Talamasca, informações sobre bruxOs na família, além, é claro, de Monsieur Julien, o último integrante da família que realmente tinha conhecimento de suas raízes.

Anywho, typos à parte, vemos que aqui Anne Rice junta suas histórias de uma forma cativante e surpreendente. Lestat, o principal vampiro cronista, se apaixona por Rowan.

E, sem or, como eu estava com saudades do Lestat! ❤

Entendam, minha relação com os livros e os personagens da Anne Rice é antiga. Iniciei meu amor pelos cronistas com o belíssimo filme Entrevista com o Vampiro, que reuniu em um único filme todos os meus crushes da minha infância/adolescência. A partir daí foi só “ladeira abaixo” em relação ao meu amor pelos cronistas e pelos maravilhosos livros da tia Rice. Alguém já percebeu que quando gosto do autor chamo ele de tio?

Acontece que o vampiro cronista com mais afinco é o nosso querido príncipe das sombras, Lestat de Lioncourt. É dele a verdadeira história d’As Crônicas Vampirescas. É nele que todas as histórias se concentram. É com ele – ou por ele – que conhecemos todos os outros personagens. Com exceção, é claro, d’As Bruxas Mayfair.

E fazia tanto tempo que eu não lia nada sobre Lestat… O último livro que li foi Pandora, e honestamente não me lembro muito da história… (oops) Mas estou me enrolando. Voltemos à história.

Claro que eu precisava ler esses livros fora da ordem, não é mesmo? Deveria ter terminado A Hora das Bruxas II antes de começar a ler Cântico de Sangue, mas quem disse que eu resisti a deliciosa narrativa de Lestat? Se eu tomei muitos spoilers? Não posso nem começar a descrever quantos.

A parte importante? Rowan e Michael se casaram! ❤ Super shippo os dois! Fiquei feliz, mesmo triste com os spoilers.

E, carácoles, VAMOS VOLTAR A HISTÓRIA, Alessandra! *se sacode*

Enfim. Acompanhamos Lestat, Quinn e Mona enquanto eles vão em busca da filha de Mona. Somos apresentados à uma nova espécie, os Taltos, uma espécie mais alta, forte, e parasita que os humanos. Parasita no sentido de que para nascerem quase matam suas mães. Quase como os humanos. Sou super a favor dos partos. -sqn

Quinn é um jovem vampiro, inteligente, que se mantém sempre cavalheiro, sempre tentando “reprimir” os arroubos de emoção dos outros dois. Mona é uma Mayfair, daí a junção dos dois universos, wink wink mas ela é bem insuportável na minha opinião, mesmo sendo uma vampira recém feita. E Lestat é, bem, Lestat.

As digressões do Lestat me deixam super feliz. Adoro a forma como ele, do nada, começa a descrever todas as escrivaninhas que tem em casa em um capítulo e no outro já se xingar, falando que não pode simplesmente ficar falando dos móveis – E AINDA SE PARABENIZA QUANDO NÃO MENCIONA NENHUM! Ele me diverte, juro. O estilo de narrativa em que ele conversa conosco como se fôssemos seus fãs, do seu universo de Nova Orleans o que não deixa de ser verdade me deixa extasiada.

De qualquer forma, não gostei muito de como Rowan é descrita e como age (talvez eu entenda melhor essa mudança quando eu terminar A Hora das Bruxas II), não gostei dos companheiros de Lestat sim eu estou olhando pra você Mona e não fui convencida dessa nova espécie. No todo, adorei este reencontro com Lestat, mas não tanto em si da história.

3/5 estrelas forçando muito a amizade.

A Hora das Bruxas I

É claro que eu ia participar da zoação na escolha do livro pro item 22. Um livro que descreve sua vida. E assim escolhi A Hora das Bruxas I de Anne Rice.

22. A Hora das Bruxas I

Só espero que isso não signifique que minha vida terá uma parte 2 pra acabar comigo. Esse ano já está tenso o suficiente!!

Sinopse: A Talamasca, um grupo com poderes extrassensoriais voltados para o bem, durante séculos pesquisou a vida da família Mayfair, uma dinastia de bruxas que começou no século XVII na Escócia, transplantou-se para o Haiti e de lá para a fantasmagórica Nova Orleans. É através dos seus volumosos arquivos que vamos descobrir essa saga de seres decadentes e mórbidos, convivendo pacificamente com o incesto e as tempestades e um espírito, meio divindade celta, meio demônio, chamado Lasher.
Anne Rice mais uma vez prova por que é mestra do gótico contemporâneo, dominando, ao mesmo tempo, as rédeas do drama, da inspirada sexualidade e do fantástico.

Honestamente esse livro tem um estilo de narrativa que me deixou muito confusa pela maior parte dele. -q

Basicamente somos apresentados à Deirdre Mayfair, uma bela mulher de longos cabelos castanhos, que se encontra em estado catatônico depois de uma série de tratamentos com eletrochoque. Sendo o livro a história das Bruxas Mayfair, supus erroneamente que o livro tratava da história de Deirdre. E preciso dizer que realmente quero saber mais sobre a guria? Damn it.

Acontece que o livro é narrado por terceiros e não pelos Mayfair. É como se fosse, na verdade, um grande arquivo sobre os Mayfair. O que não achei de todo ruim. De certa forma todos os personagens que narram têm a ver com a história, então vamos acompanhando um bom pedaço da história de Deirdre e suas tias, da grande casa onde elas vivem e de um certo cavalheiro que aparece acompanhando Deirdre em muitos momentos.

Ao final do primeiro livro, finalmente, somos apresentados às raízes da bruxaria da família Mayfair, então podemos dizer que é um retrato histórico da família. E eu amo saber de onde as pessoas conseguem seus poderes, suas backstories. Então, sim, adorei entender o que é o Talamasca e o que eles fazem. Foi lindo!

Nova Orleans é uma cidade linda e foi muito bem descrita durante toda a narrativa da dona Anne Rice. O que achei mais interessante é que não achei a narrativa tão cansativa ou enfadonha em certos pontos. Não sei dizer se a repetição que notei nos seus outros livros têm a ver com os vampiros ou se seria outra coisa. De qualquer forma, adorei a narrativa como um todo. Ela realmente se aprofunda nos tipos de poderes que os personagens têm.

A Editora Rocco tem sempre um lugar especial no meu coração, então sou muito suspeita para fazer uma boa crítica a eles. -q Acontece que não sei se essa nova edição que comprei dos livros da Anne Rice são econômicas, mas os livros não têm aquelas “orelhas” na capa, não sou um monstro que marca a página com orelhas. e essa edição é um tanto quanto frágil, se comparada com minhas outras edições dos livros da Anne Rice que tenho. Tirando um ou outro erro de digitação, é uma edição muito boa e uma editora fantástica. Adoro a Rocco!

Um livro que mereceu suas 4 de 5 estrelas. Agora vamos para a segunda parte e terminar essa história!