Aniquilação

08. Aniquilação

O livro Aniquilação de Jeff VanderMeer foi o escolhido para o item 08. Um livro que ganhou um prêmio.

08. Aniquilação - prêmios

Sinopse: A Área X está isolada do restante do mundo há décadas, e a natureza tomou para si os últimos vestígios da presença humana. Uma primeira expedição de reconhecimento voltou de lá relatando uma terra intocada, um paraíso edênico; a segunda terminou em suicídio em massa; a terceira, em um tiroteio dentro do próprio grupo. Até que os membros da décima primeira expedição retornaram como meras sombras do que eram antes e, após algumas semanas, morreram de câncer. Em Aniquilação, primeiro volume da trilogia ‘Comando Sul’, o leitor se junta à décima segunda expedição. O novo grupo é formado por quatro mulheres – uma antropóloga, uma topógrafa, uma psicóloga – líder da missão – e uma bióloga, a narradora do livro. Seus objetivos são mapear o terreno, identificar todas as mudanças ambientais, monitorar as relações entre elas próprias e, acima de tudo, não se contaminarem. As mulheres atravessam a fronteira esperando o inesperado, e é exatamente isso o que encontram. Mas o que de fato vai definir os rumos da expedição não é o que está lá, e sim o que elas trazem consigo desde o outro lado da fronteira e os segredos que guardam umas das outras.

Ontem eu terminei de ler o livro e ainda não tenho certeza do que posso falar sobre ele. -q

Para quem acompanha as minhas postagens, podem se lembrar que na minha resenha de Sense8 eu discorro sobre o fato de que coisas que eu não consigo compreender de imediato – ou até o fim do livro/seriado – não me agradam tanto assim. Sou dessas que têm que entender exatamente o que está acontecendo, ou fico louca. Sim, sou uma control freak.

O que significa, basicamente, que esse livro mexeu com um lado meu que eu não gosto que seja mexido. Enquanto a bióloga vai narrando suas desventuras na Área X ela vai percebendo que todo o treinamento que recebeu, todo o seu preparo e até mesmo os seus motivos para se voluntariar para a missão não foram tão verdadeiros assim.

Ela – e muito provavelmente todo o resto – não estava preparada para tudo o que ela viu na Área X. O medo de contágio, o medo do desconhecido. A narrativa é envolvente, com flashbacks que explicam um pouco mais sobre a bióloga, sobre sua vida antes de se tornar voluntária para explorar a Área X.

O livro em si é curto, 200 páginas e eu só percebi isso depois que terminei de ler… -q, dividido em 5 partes, 5 capítulos. O ritmo do livro é ótimo, entrelaçando passado e presente de uma forma magnífica e nem um pouco cansativa. Só que, adivinhem, no final parece que sabemos menos do que no começo. Foi uma coisa, ó, linda.

Se eu gostei? Sim, gostei. Se estou curiosa para ler os próximos 2 livros? Com certeza! Mal posso esperar para lê-los e descobrir, afinal, o que deabos está rolando na Área X.

3/5 estrelas.

Advertisements

Deadpool Dog Park

Uma pequena pausa nas resenha do Desafio de Leitura para trazer em primeira mão a resenha do livro Deadpool Dog Park da Editora Novo Século.

Deadpool Dog Park

Em Dog Park acompanhamos o nosso mercenário tagarela favorito em uma missão para a S.H.I.E.L.D. que envolve cães.

Pequenos filhotes fofinhos, para ser mais exata.

Por algum motivo, o vilão do livro resolveu que era uma boa ideia criar uma arma biológica mutante em formato de cachorrinho para o Deadpool consertar o problema. E por consertar, eu quero dizer matar.

Eu sou uma fã de carteirinha do Deadpool, então sou meio biased pra dizer o quanto o livro é bom. Entretanto, consigo dizer que, mesmo sendo um livro bem divertido, ficou cansativo de ler com todas as vozes na cabeça do Deadpool e suas alucinações narradas. Não estou dizendo que é um livro ruim, muito pelo contrário, mas em alguns momentos ficou meio chato. É muita narração mudando de personalidade pra uma única cena.

De qualquer forma, adorei acompanhar mais uma aventura do Deadpool! ❤ Quero mais. E PRECISO comprar esse livro. FOR REASONS. ❤

4/5 estrelas.

República de Ladrões

Para o item 11. Um livro de uma trilogia ou série escolhi o livro Nobres Vigaristas – República de Ladrões.

11. República de Ladrões

Sinopse: Envenenado e à beira da morte, Locke Lamora segue para o norte com seu parceiro, Jean Tannen, em busca de um refúgio e de um alquimista para curá-lo. Porém a verdade é que ninguém pode salvá-lo. Com a sorte, o dinheiro e a esperança esgotados, os Nobre Vigaristas recebem uma oferta de seus arquirrivais, os Magos-Servidores.
As eleições do conselho dos magos se aproximam e as facções precisam de alguém para fazer o trabalho sujo, manipulando os votos. Se Locke aceitar, o veneno será purgado de seu corpo com o uso de magia – mas o processo será tão excruciante que ele vai desejar morrer.
Locke acaba cedendo ao saber que o partido da oposição contará com uma mulher do seu passado: Sabeta Belacross, a única pessoa capaz de se igualar a ele nas habilidades criminosas e mandar em seu coração. Novamente em uma disputa para ver quem é o mais inteligente, Locke precisa se decidir entre enfrentar Sabeta ou cortejá-la, e a vida dos dois pode depender dessa decisão.
República de Ladrões leva o leitor ao início da vida de Locke enquanto flerta com o seu fim, revelando todos os matizes de Sabeta e de seu relacionamento com o líder dos Nobres Vigaristas. Misturando momentos tensos e cômicos do passado e do presente, esta obra é, até agora, a melhor de Scott Lynch.

Muitas surpresas neste livro.

Adorei a linha de narrativa, indo e voltando na história do Locke. O pouco do espetáculo República de Ladrões me deixou muito curiosa para saber sobre ele por completo o que infelizmente não vai acontecer e adorei o fato de que é aqui, neste livro – que eu julguei erroneamente ser o último – que finalmente pude ver os Nobres Vigaristas como pessoas de verdade e não uma engrenagem perfeitamente ajustada para roubos.

Foi fantástico ver que SIM os gêmeos tiveram seu momento de ódio mútuo, que todos eles eram adolescentes normais com problemas muito normais hormônios e que o Correntes não era assim um “pai” perfeito. Simplesmente lindo.

Algumas coisas, entretanto, não foram tão perfeitas quanto eu havia imaginado.

Sabeta, por exemplo, não foi toda a coca-cola que eu imaginava que seria. O que, de certa forma, é ótimo. Só mostra que o tio Scott conseguiu criar uma mulher real, absolutamente irritante e poderosa, mas inconstante. Como mulheres costumam ser. Guiadas pela eterna batalha entre razão e emoção – e como foi perfeito perceber que na maior parte do tempo ela dá um chega pra lá na emoção e chuta a bunda do Locke e do Jean de formas geniais.

O final foi absolutamente não convencional e imprevisível e me deixou chocada. Ainda mais quando descobri que tem mais Locke Lamora e Jean Tannen vindo por aí! ❤

Um livro fantástico de um anti-herói muito carismático. Mais um amiguinho pro querido Artemis Fowl mas essa é outra história.

A Editora Arqueiro tem conseguido me dar ânimo a voltar a comprar livros traduzidos (tenho um relacionamento de amor e ódio com livros traduzidos, mas isso não vem ao caso) e, tirando um pequeno probleminha técnico com minha edição, o trabalho dela é impecável (valendo a pena dizer que o SAC foi muito solícito com meu questionamento). Faith in humanity!

4/5 estrelas.

Dália Negra

Dália Negra de James Ellroy foi o escolhido para o item 13. Um livro com uma cor no título.

13. Dália Negra

Sinopse: Em 15 de janeiro de 1947, o corpo torturado e estuprado de uma bela jovem é encontrado num terreno baldio de Los Angeles. A vítima aparece nas manchetes como a Dália Negra, e a busca por seu assassino transforma-se na maior caçada humana da história da Califórnia. Obcecado por este crime hediondo, James Ellroy durante anos dedicou-se a investigar por conta própria o assassinato. Partindo dessas informações, escreveu seu livro de estréia. Um romance noir maravilhoso, que o transformou imediatamente em um grande sucesso de crítica.

Em Dália Negra acompanhamos a história dos policiais Lee Blanchard, o Sr. Fogo, e Bucky Bleichert, o Sr. Gelo. O narrador, Bucky, nos conta sua história de delator a policial e de boxeador a detetive, de como conheceu Lee, das lutas de boxe clandestinas e da Grande Luta entre o Sr Gelo e o Sr Fogo.

E, claro, nos é apresentado o caso da Dália Negra.

Bucky não está satisfeito com o fato de ser retirado dos seus serviços padrões para auxiliar na caçada ao assassino de Dália, mas não há muito o que se fazer quando Lee se decide a fazer algo. Como poderia dizer não ao seu parceiro?

Além de toda a história que se desenrola sobre o assassinato, há muito por trás. A cada página virada desvendamos mais sobre o passado de Lee, Bucky e Kay. Temos problemas com antigos informantes, com presos e com figuras importantes da alta sociedade.

Em relação à história em si, tive uma grande dificuldade em me situar no período descrito (Los Angeles entre 1946 e 1949), além de não conseguir focar na quantidade absurda de personagens e intrigas e inceptions (histórias dentro das histórias). O final do livro… foi meio absurdo, assim como eu esperava de um romance policial sobre um dos casos mais famosos e que não foi realmente solucionado, entretanto, pareceu que faltou alguma coisa. Foi forçado demais.

E os backgrounds extremamente suspeitos de TODOS os personagens nos deixa sem saber em quem confiar. Nem mesmo o Bucky se salva. É difícil.

Ao mesmo tempo em que torna os personagens em algo mais humano.

Ganha 4/5 estrelas.

Como Eu Era Antes de Você

21. Um livro com título longo (mais de 4 palavras) Como eu era antes de Você de Jojo Moyes.

Daniel Pereira

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro. Como eu era antes de você é uma história de amor e uma história de família, mas acima de tudo é uma história sobre a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

Certo. O que dizer deste livro..?

Louisa Clark não é uma típica personagem principal. Ela é uma personagem a qual nos identificamos, porque ela é real. Ela traz dificuldades humanas, discussões intermináveis com a irmã mais nova e problemas financeiros. Tem como ser mais real que isso?

William Traynor, on the other hand, seria o típico príncipe encantado – se fosse educado e não estivesse preso a uma cadeira de rodas no auge de sua vida. Perceber as angústias que permeiam uma pessoa que se vê obrigada a viver nas condições dele é, no mínimo, frustrante.

E este não é um simples livro de história de amor.

O tema central do livro é a eutanásia. E, mesmo existindo um romance ali, não há desvios do tema central. E achei, além de interessante, importante esta discussão. O respeito às decisões daquela pessoa que se encontra naquela situação e não apenas o que cada um acredita ser melhor para ele.

Outro livro que me tocou de formas que eu não imaginaria ser tocada.

4/5 estrelas.

Sense8

Sense8 01

Certo… Depois de muito tempo finalmente terminei de assistir Sense8 e deveria ir dormir, btw, mas quem disse que eu consigo? e resolvi que preciso abrir meu coração com a sociedade.

Assim que Sense8 foi lançado e todo mundo assistiu de uma sentada vi vários vídeos do pessoal dizendo o quanto era fantástico, amigas falaram que eu deveria assistir e foi assim que comecei a assistir o primeiro episódio com os meus pais.

Ah, se arrependimento matasse.

Primeiros minutos do primeiro episódio: sexo entre uma transexual e sua namorada e uma louca se matando. Foi ó… Um sucesso. -sqn

Depois deste primeiro choque (não, eu e meus pais ainda não nos recuperamos) passei algum tempo me convencendo de que o ideal seria não tentar assistir com minha família OBVIOUSLY e, sim, assistir no conforto da minha casa em Lost.

Eu só tenho um problema com séries no geral (livros, seriados, mangás, filmes, you name it): eu preciso entender o sentido das coisas.

Sense8 definitivamente NÃO tem sentido.

Sense8 02

Então acabei assistindo bem vagarosamente. Cada vez me convencendo a assistir pelo meu amor ao Wolfgang. (Wolfie ❤ *3*) e, por mais que tenha sentido um apego aos personagens, não acredito que seja o meu estilo de seriado.

Tudo bem que as Wachowski são campeões de criarem coisas assim e eu deveria ter esperado algo que não fizesse sentido. Só que me enerva não saber NADA DE NADA.

Quando me perguntam: “Alessandra, sobre o que é Sense8?” sabem qual é a minha resposta? “Don’t fucking know”. Ah, mas a história fala dos sensate e de como eles são ligados entre si. Claro! Então vos pergunto: o que são os sensate, como eles são criados, pra que eles servem, quem deabos é o Sussurros e o que demônios está acontecendo!?

Como podem ver, são muitas perguntas para nenhuma resposta.

Se eu gostei do seriado? Gostei, principalmente dos 3 últimos episódios (são 12). Se vale a pena assistir? Talvez, principalmente se você gosta de coisas scify sem muitas explicações. Se eu assistirei a próxima temporada? Duvido muito. Olha quanto tempo demorei pra assistir a primeira!

Além do que… O final me deu uma brochadinha. (Superável, eu espero)

2,5 a 3/5 estrelas. Ainda estou em dúvida.

Década Perdida

O livro escolhido para o item 25. Um livro fora da sua zona de conforto foi o Década Perdida de Marco Antonio Villa.

25. A Década Perdida

Sinopse: Vivemos um tempo sombrio, uma época do vale-tudo. Desaparecem os homens públicos. Foram substituídos pelos políticos profissionais. Todos querem enriquecer a qualquer preço. E rapidamente. Não importam os meios. Garantidos pela impunidade, sabem que, se forem apanhados, têm sempre uma banca de advogados, regiamente paga, para livrá-los de alguma condenação. São anos marcados pela hipocrisia. Não há mais ideologia. Longe disso. A disputa política é pelo poder, que tudo pode e no qual nada é proibido. O Brasil de hoje é uma sociedade invertebrada. Amorfa, passiva sem capacidade de reação. É uma República bufa, uma República petista.

Um tema que não gosto de estudar, não gosto de conversar e, acima de tudo, não gosto de ler se chama política. Não posso dizer que existe um livro mais fora da minha zona de conforto do que este.

E ainda precisava lê-lo em um momento tão crítico quanto o que estamos vivendo?

Quero dizer que não sou uma pessoa política, muito pelo contrário, me considero apolítica. Entretanto não sou uma acéfala. É nítido que a máquina do Estado e a política nacional não se sustenta mais – independente de qual partido se encontra nela.

Não tornarei este post mais politizado do que ele já o é.

Em Década Perdida, Marco Antonio Villa (historiador com mestrado em Sociologia e doutorado em História) nos faz um apanhado geral com citações sobre os 10 anos de governo do PT – os dois mandatos de Lula até a metade do primeiro mandato de Dilma.

Além de ser interessante relembrar tudo o que aconteceu durante esses dez anos, acho que foi, de certa forma, um tapa na cara da sociedade. A oposição não sabia ser oposição, foi-se permitido que o governo mandasse e desmandasse sem nenhum tipo de crítica, de cobrança. E isso foi uma das coisas que mais me chocou no livro.

O que de certa forma é ainda mais chocante. Hoje é quase “natural” notar que os políticos desviaram bilhões de reais.

É triste.

3/5 estrelas.